Pedofilia vista como “opção sexual”: este é o próximo passo dos defensores da Ideologia de Gênero. Veja como uma página do Governo brasileiro propagou esta tenebrosa “ideia”:

Pedofilia vista como "opção sexual": este é o próximo passo dos defensores da Ideologia de Gênero.

A página de Facebook Humaniza Redes, gerenciada pelo governo brasileiro, publicou uma foto na quinta-feira passada, a qual parece trivializar o tema da pedofilia.

A foto alega que é um mito afirmar que “toda pessoa que abusa de uma criança ou adolescente é um pedófilo”.

“Para que uma pessoa seja considerada pedófila, é preciso que exista um diagnóstico de um psiquiatra. Muitos casos de abuso e exploração sexual são cometidos por pessoas que não são acometidas por esse transtorno.

O que caracteriza o crime não é a pedofilia, mas o ato de abusar ou explorar sexualmente de uma criança ou um adolescente”, continua o texto.

Apesar da clara afirmação de que a pedofilia está associada apenas a uma desordem psiquiátrica, o anônimo responsável pela página de Facebook alega que o objetivo da postagem é apenas “contribuir para que os casos de abuso infantil (que, ao contrário da pedofilia, é crime) sejam identificados facilmente”.

Veja-se abaixo uma imagem da postagem, que foi apagada pelo responsável anônimo:

Clique na imagem para ampliá-la.

De acordo com o professor de filosofia Carlos Ramalhete, o aspecto mais grave da postagem é “o raciocínio falacioso dos salafrários: pedofilia só passaria a ser pedofilia pela palavra mágica de um médico.

Meros fatos, como o taradão estuprar criancinhas, não teriam relevância diante da ausência de diagnóstico médico”.

“A medicalização do crime é arma tradicional da engenharia social”, disse ele.

Depois de afirmar que nem todo caso de abuso de crianças pode ser considerado pedofilia, a postagem de Facebook também estabelece deliberadamente uma nova categoria de crime, segundo a qual o abuso de crianças não é considerado mais grave que o abuso de adolescentes.

Recentemente, o governo brasileiro tentou estabelecer a ideologia de gênero como critério fundamental para todas as cidades e estados do país.

Todavia, após um esforço de milhares de cidadãos, a maioria das casas legislativas rejeitou
a proposta.

Como já se sabe por meio da experiência de outros países, uma das consequências da implementação da ideologia de gênero no sistema educacional é a sexualização das crianças.

Após uma enxurrada de críticas, no dia seguinte ao da postagem (10 de julho), a página Humaniza Redes publicou um “esclarecimento”, que pode ser visto abaixo:

Clique na imagem para ampliá-la.

*   *   *

Fonte: http://notifam.com/

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email

2 Comentários

  • Me corta o coração só de pensar numa atrocidade destas. O que será das pobres crianças meu Deus! Espero que todas as igrejas não Católicas mas Evangelicas e outras se mobilizem para que isto não se torne verdade.

    Sagrado Coração de Jesus e Santíssimo Coração de Maria intercedam por nossas crianças.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inclua agora seu nome na Missa de Nossa Senhora de Fátima.

Basta ligar para:

0800 608 2128