O último dos anjos

Por Benoît Bemelmans

De todos os anjos, ele era o último.

 

contodenatalDentre milhares e milhares de puros espíritos que Deus criou — imensamente mais numerosos que o conjunto de todos os seres humanos que existirão até o fim do mundo —, distribuídos em uma imensa hierarquia composta de nove coros angélicos, ele se encontrava no lugar mais baixo. Todos os anjos, sem exceção, eram-lhe superiores. Abaixo dele, bem distantes, não havia senão nós, os homens.

Mas não imagines que por isso ele concebesse qualquer amargura ou decepção. Ao contrário, era um anjo particularmente alegre e feliz.

 

Por exemplo, ele não quis nem de longe aderir à revolta de Lúcifer, que havia procurado convencê-lo, em primeiro lugar pensando poder suscitar nele um sentimento de injustiça.

— Siga-me — cochichou-lhe o tentador — e de último entre os últimos tornar-te-ás semelhante a Deus.

Ele teria dado uma gargalhada e encolhido os ombros (se os tivesse, mas estes são dois modos de agir que pertencem a nós, humanos). Então o anjo colocou uma simples questão, que foi ouvida de um limite a outro da abóbada celeste:

— Quem, então, é como Deus!?

 

natal_contoSua frase foi retomada pelo arcanjo São Miguel, que fez dela o seu grito de guerra, com o sucesso que se conhece; pois, sob sua direção, dois terços da milícia celeste lançaram no inferno os demônios revoltados, depois de um gigantesco combate. Os anjos passaram então a gozar da visão beatífica.

Já antes da criação dos homens, o último dos anjos passou a fazer o bem sobre a Terra.

Sendo um puro espírito, não tinha corpo. Mas possuía uma inteligência imensamente superior à nossa, uma vontade livre de entraves e um poder sobre todo o mundo material. Poder ao qual só os desígnios da Providência Divina punham limites.

Além disso, fora do conhecimento sobrenatural de Deus, o anjo jamais tivera necessidade de aprender: todos os seus conhecimentos naturais foram-lhe comunicados por Deus no instante de sua criação. Sua ciência, sua força, seu discernimento, ele os utilizava para influenciar as condições materiais de nossa vida quotidiana.

Por onde passava, o ar tornava-se mais leve, os pássaros cantavam com mais alegria, as flores deitavam seus perfumes e os homens sentiam-se inclinados a ser melhores.

Ele era o anjo que restabelecia a paz na natureza depois das grandes tempestades; que tornava tão agradável o retorno da primavera; que conservava fresca a vasta sala de pedras onde vinham repousar os ceifeiros; que velava pela abundância dos frutos na colheita do outono; e que criava aquele ambiente reconfortante ao redor da lareira, com a lenha a crepitar, quando a neve recobria os campos.

Ele patrulhava a Terra para suavizar os efeitos da natureza selvagem, para tornar mais suportável a vida dos pobres humanos e encorajá-los a praticar a virtude.

Sua intervenção sobre os elementos procurava fazer renascer a esperança nos corações dos homens. Era uma ação humilde, que ele efetuava com engenho e discrição, mas tinha a intuição de que não enchia a medida do que era chamado a realizar. 

Amante de conjecturas, pensava que um dia Deus lhe confiaria talvez uma missão especial.

— Quem sabe serei o anjo da guarda de alguém; sendo eu o último dos anjos, será provavelmente do mais fraco dos homens — disse ele a alguns dos grandes arcanjos do paraíso celeste, que sabiam mais do que ele. Mas eles contentaram-se em contemplá-lo em silêncio.

*    *    *

 

Anjo da Paz
Anjo da Paz

Certa vez, sem estar a par de nada, notou entretanto uma movimentação inusitada na esfera celeste.

Porém, como nenhum dos anjos superiores, em seus movimentos incessantes para a manutenção da ordem da Criação, se detivesse para explicar-lhe o que se passava, continuou a percorrer o mundo.

Já fazia milhares de anos que ele cumpria seu ofício — o que parece muito para nós, mas não é senão um tantinho de eternidade na existência angélica —, quando em certa noite um dos magníficos serafins que servem junto ao Trono de Deus veio procurá-lo:

— Nosso Soberano Criador tem uma missão para ti: vá depressa exercer teus talentos junto à pobre gente, no lugar que te indicarei.

Apressando-se em percorrer a imensa distância que o separava da aldeia para onde fora enviado, ele entrou num recinto mal iluminado, sem saber o que iria encontrar.

O anjo olhou em torno de si e viu… o menor, o mais fraco, o mais pobre dos filhos dos homens. Então uma luz maravilhosa inundou a rude gruta onde se encontrava. Voltando-se, ele viu toda a corte celeste ali presente: milhares e milhares de anjos, subindo e descendo, entoavam um cântico novo, de excelsa suavidade.

— Apressa-te! Não vês que ele está com frio? — disse o serafim.

Só então o anjo compreendeu que Deus se fizera homem, e que sua missão era a de proteger aquele pequeno Menino e sua Mãe, a Santíssima Virgem Maria, e ainda seu pai adotivo, São José.

Rapidamente ele fez vir o asno e o boi que dormiam ao fundo, para que aquecessem com seu bafo o recém-nascido; suavizou a aspereza da palha, para evitar que viesse a incomodar o Divino Infante, e espalhou pelo ar um aroma de Natal, feito de resina de pinheiro, de cera quente, de flor de laranjeira e de especiarias diversas.

O Menino o vê… e lhe sorri. Ele é o último, mas o mais feliz dos anjos!

Depois dessa Noite Santa, todos os anos ele percorre a Terra para fazer sentir às almas de boa vontade a suavidade, o perfume, o espírito do Natal.

Então, por favor, olha bem em torno de ti, e sê sensível à sua presença. Perceberás talvez que ele acaba de passar, vendo a chama vacilante de uma vela diante do presépio, contemplando o brilho de um enfeite de Natal suspenso num pinheiro, ou enlevando-te com a doçura dos cânticos da Missa do galo. 

*    *    *

OBSERVAÇÃO — Esta história não é senão um conto de Natal. Mas o último dos anjos existe realmente. Não sei como se chama (se ele mo tivesse dito, eu me alegraria em escrever seu nome; mas a Igreja proíbe aos homens dar nome aos anjos, exceto àqueles que aparecem na Bíblia). De qualquer modo, nossa pobre inteligência humana não chegaria a compreender bem o significado e a beleza do nome de um anjo.

Para dizer a verdade, foi ele quem me sugeriu escrever este conto. Quando objetei que talvez nem tudo fosse inteiramente exato, ele riu, deu de ombros e disse: Basta colocares uma observação no fim. Aqueles que tiverem conservado o melhor de sua inocência dos tempos da infância regozijar-se-ão. Os outros…

Fonte: Catolicismo

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on email

3 Comentários

  • Adorei me emocionei ao ler este conto lindo, gosto muito dos anjos e smpre procuro sua proteção, eles são criaturas que nos fazem querer ser santos, por isso parabéns e eu acredito nessa história.

    Resposta
  • É lindo,nos fazer refletir que memso estando oprimido,desanimado e nos sentimos os ultimos seres humanos, nos mostrar que e preciso acreditar no senhor com muita fé e confiança,pois o senhor nos fara o premeiro na eternidade. Amém.

    Resposta
  • É um conto comovente,nos leva direto ao altissímo,a refletir sobre tudo que temos feito contrário à vontade do pai.No lugar da humildade a soberba,no lugar da doação o egoísmo,no lugar da fé o consumísmo. Pobre de nós seres fracos e ignorantes. Ainda assim rogo a Deus por nossas existências,que o Pai continue a confiar que mudaremos e que nos dê entendimento,discernimento para que reconheçamos sua vontade através de sua palavra.
    Parabéns!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inclua agora seu nome na Missa de Nossa Senhora de Fátima.

Basta ligar para:

0800 608 2128

DÚVIDAS

Clique nas perguntas para ver as respostas

Quando você quiser. Trata-se doação espontânea e não de um título comercial que poderá ser protestado. Para cancelar basta ligar para (11) 4368 2253 ou até nos contatar por outros canais. Mas lembre-se que a sua doação é a forma de participar de um apostolado e até receber graças.

O Grupo Exército da Medalha Milagrosa é formado por pessoas que acreditam na intercessão de Nossa Senhora das Graças através da Medalha Milagrosa e querem espalhar essa devoção pelo Brasil, atendendo ao pedido que Ela fez: “Faça cunhar uma Medalha por este modelo…”. Nossa Senhora pode contar com você?

Quando fazemos algo que nos custa algum sacrifício, isso tem mais méritos aos olhos de Nossa Senhora, Mãe de Misericórdia. Quanto mais você fizer pela Virgem Maria, mais graças estará atraindo para a sua vida. Economizando uma moedinha por dia, 1,00 Real, ao final do mês você terá condições de participar do Grupo Apóstolos de Fátima. Faça um voto de fé e experimente.

Bem, além do cartão de crédito você pode nos ajudar de outras formas. Mas você também pode ver se algum familiar pode lhe emprestar seu cartão de crédito para debitar essa doação. Ele também será incluído nas Missas. Muitas vezes você pode utilizar um cartão de uma loja de departamento, até supermercado. Como um cartão da Riachuelo, C&A, etc., desde que tenham a bandeira VISA ou Mastercard.

Não precisa se preocupar. Nós contratamos um sistema de SITE SEGURO, exatamente como os bancos. Na hora de preencher seus dados no site, veja que terá um cadeadinho no canto superior esquerdo da tela. Ele á a garantia de um site 100% seguro. Pode confiar e ir em frente.

PARABÉNS. São poucas as pessoas que realmente agem para fazer o bem, sem egoísmo. Mas, pessoas como você, geralmente são mais solicitadas dos que os que nada fazem. E Deus, que a tudo vê, saberá recompensá-las. Faça esse gesto por Nossa Senhora de Fátima. Faça como uma promessa ou voto de fé. Ela certamente escutará as suas preces e lhe atenderá.

Claro. Mas lembre-se da Virgem Maria quando o Arcanjo Gabriel lhe perguntou se Ela queria ser a mãe do Messias. Mesmo pobre e mocinha ELA DISSE SIM, sem deixar para depois, afinal, era um pedido do Espírito Santo. Será que a Virgem Maria não está esperando o seu SIM bem agora? Por que deixar para depois?

Pense que a sua ajuda nos permitirá levar este símbolo de Proteção e Bênçãos Marianas a muitas famílias que necessitam. E lembre-se que você contará com missas semanais, terá seu nome levado até o Santuário de Nossa Senhora das Graças e outros presentes. Tudo para lhe agradecer por essa valiosa ajuda. Além disso, você certamente contará com as graças de Maria em sua vida.

Muitos pensam que Missa só se manda celebrar para os falecidos. Ao contrário, ter missas em nossas intenções, enquanto estamos nessa terra, é muito importante. Por isso decidimos por esta forma de lhe agradecer pela sua generosa doação, com este presente de valor infinito. Cada Missa é a renovação do sacrifício de Nosso Senhor.

Sem problemas. Nossa Senhora das Graças quer a ajuda daqueles que o fazem com generosidade e sinceridade. Uma doação obrigada nunca será bem vinda para um apostolado mariano com a missão de difundir a devoção a Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa. Uma doação generosa e dada de boa vontade atrairá bênçãos para você, para sua família e para toda essa obra apostólica.