Niterói, veja esse triste relato!

Caríssimos leitores, publicamos a seguir um relato que nos chega de fiéis da Arquidiocese de Niterói;
pe-anderson
Pe Anderson da diocese de Niterói

.
Caríssimos leitores, publicamos a seguir um relato que nos chega de fiéis da Arquidiocese de Niterói;


Acerca de um gravíssimo incidente ocorrido na última Quarta-Feira de Cinzas na igreja de São Domingos de Gusmão, em Niterói.

Nossos leitores certamente conhecem o reverendíssimo padre Anderson Batista da Silva, sacerdote mencionado nos acontecimentos narrados.

Pedimos que leiam o relato com atenção e atendam às nossas petições ao final.


Na Quarta-Feira de Cinzas, tudo estava pronto para a celebração da Santa Missa na igreja de São Domingos de Gusmão.

Pouco a pouco os fiéis entravam na igreja e se preparavam para pedir a Graça de Deus para entrarem no espírito da Quaresma.

A cerimônia seria no “rito em latim”, ou na “forma extraordinária do rito romano”, como o então Papa Bento XVI a chamou em seu motu proprio Summorum Pontificum;

Que liberou esta bela liturgia a todos os padres que a quisessem celebrar, sem qualquer empecilho, bastando apenas um grupo estável de fiéis que a reivindicassem.

Nesse dia em que os fiéis receberiam na fronte o sinal da cruz com as cinzas bentas e a exortação para crer no Evangelho e converter-se, aconteceu um incidente gravíssimo e lamentável.

Certo senhor, desde a sua chegada, passou a reclamar;

Sempre em voz alta, acerca de diversas questões (da duração, do rito, do canto gregoriano etc.), incomodando sobremaneira quem estava perto.

Chegada a hora da Comunhão, como de costume, os fiéis formavam fila em direção ao altar e, ajoelhados, recebiam sobre a língua o Corpo de Cristo, da maneira preconizada pela prática milenar da Igreja.

Todos os fiéis que participavam daquela missa estavam cientes deste modo de recepção do Sacramento segundo a forma do rito;

Até mesmo porque o padre Anderson costuma didaticamente explicar os detalhes das celebrações antes de seu início.

A Comunhão na boca e de joelhos é, neste rito, a forma padrão.

O mencionado senhor entrou na fila da Comunhão, onde continuou com sua postura de reclamação, e, ao chegar para comungar;

Negou-se a receber a Comunhão na forma prescrita para o rito tradicional: exigia que a hóstia lhe fosse dada na mão.

O amável pastor explicou calmamente que;

Na forma tradicional, a maneira prescrita de recepção do Sacramento era de joelhos e na língua, e que a matéria não era de escolha opcional do fiel.

Porém o homem não se conformou com a explicação e, em voz alta, exigiu novamente que o recebesse na mão.

Provavelmente desejando evitar maior perturbação da cerimônia, e considerando a gravidade de negar o sacramento a um fiel;

O sacerdote preferiu conceder e dar-lhe a Comunhão na mão.

O homem foi gentilmente informado de que deveria então comungar.

Tendo o Sacramento em sua mão, fechou-a e negou-se a comungar, dizendo que era livre para comungar como quisesse, pois a Hóstia não pertence ao padre.

Gritou, além disso, que aquela não era a sua religião e que aquela Missa não existia.

Nesse momento, os que estavam próximos, tanto acólitos quanto parte dos fiéis, avisaram-lhe algo que não é matéria de concessão:

Ele não poderia sair dali com a Hóstia consagrada.

Ignorando o aviso, o homem ameaçou os que o cercavam, e disse que passaria à força.

Num acesso de fúria, o homem contou, gritando, “um, dois, três!!!”;

E partiu violentamente para cima das pessoas que o cercavam, como que para derrubá-las e sair da Igreja de posse do Santíssimo Sacramento.

Nesse esforço, o homem foi ao chão.

Os acólitos e os mencionados fiéis apenas o imobilizaram (sem o agredir) para contê-lo e conduzi-lo à sala anexa que dá entrada à sacristia, na lateral da igreja;

Onde poderiam recuperar de sua mão os fragmentos do Corpo de Cristo.

Em seguida, todos se afastaram desse senhor sem lhe infligir qualquer agressão, o que não se pode dizer dele próprio;

Que, com muita violência, distribuía pontapés enquanto se encontrava no chão.

Durante todo este tempo, os demais fiéis, que estavam distantes do tumulto, permaneceram devotamente rezando a Ave-Maria.

O reverendo padre Anderson, durante todo o ocorrido, parecia estarrecido; continuou segurando a âmbula na mão.

(Ele não podia segurar a âmbula e intervir na situação ao mesmo tempo.)

Após o tumulto, o local do incidente teve de ser purificado, conforme os ritos apropriados, pois partículas da Hóstia consagrada espalharam-se no chão.

Após a ocorrência desse pavoroso ato de profanação e ultraje, que perturbou a paz de todos que se encontravam na igreja;

O homem, após sair do local, voltou pela entrada principal e ali gritou e fez ameaças, dizendo que era procurador, e que acabaria com a vida do padre.

Disse que iria à delegacia prestar queixa do ocorrido.

Especialmente triste parecia ser a situação da senhora que o acompanhava;

Pois parecia ser de saúde frágil e se mostrava extremamente constrangida com o escândalo promovido pelo seu acompanhante.

O padre ficou visivelmente abalado com o episódio, mas, com o passar do tempo, pensamos que não haveria mais problemas. Ledo engano.

Recentemente, tomamos conhecimento de que há uma queixa-crime contra ele.

O teor da acusação consistiria em que o agressor e profanador da Eucaristia teria sido agarrado pelos acólitos e fiéis próximos e arrojado ao chão.

O padre seria o culpado!

Queixa-crime, ameaça de processo judicial e promessa de destruição de reputação:

Eis o prêmio por não haver impedido seus acólitos e a assembleia de defender Jesus na Eucaristia.

Difícil imaginar lógica mais tortuosa para proceder a tão leviana acusação:

O padre, provavelmente, por ser considerado tão “retrógrado” quanto o rito tridentino, foi tido como mandante de lesão corporal.


Termina aqui este relato do que aconteceu na última quarta-feira de Cinzas na paróquia de São Domingos de Gusmão.


Passemos agora às petições que mencionamos no início.


1) Oferecer orações nas intenções do padre Anderson Batista da Silva.

Os leitores podem se manifestar a esse respeito nos comentários ou nas redes sociais.


Neste momento, mais do que nunca, suas orações serão de grande conforto e ajuda.


Sejamos generosos!


2) Escrever à Arquidiocese de Niterói parabenizando-a por ter em seus quadros um sacerdote tão bravo e piedoso como o padre Anderson;

Que há muitos anos dá o seu melhor na defesa da doutrina e da liturgia da Igreja Católica.


Peçam à Arquidiocese que AMPARE e APOIE o padre Anderson contra quaisquer processos judiciais que ele venha sofrer e que não o abandone nessa aflição.


Que a Arquidiocese de Niterói não se dobre às ameaças do reclamante e ao seu status social (como ele mesmo disse, seria procurador), mas norteie-se tão somente pelo zelo para com a Eucaristia.


3) Rezar por esse senhor que apareceu inesperadamente na paróquia e causou tanta confusão.

Que Deus o ilumine e que ele venha a se dar conta da grande afronta que causou ao Cristo Sacramentado;


Do distúrbio que causou ao insultar a forma tradicional do rito, do ultraje que foi querer;


Em tom de desafio e desprezo pela celebração, deixá-la com a Eucaristia em seu punho, e da gravidade da ameaça que fez ao sacerdote.

.
Fonte: fratresinunum.com

.
.
*  *  *

.

Por isso, você Devoto de Nossa Senhora, filho de Nossa Senhora não deixe de rezar e reparar essa tristeza que Nossa Mãe Santíssima está sentindo.


Acenda agora mesmo a Vela da Reparação a Nossa Senhora.

 

Clique no link abaixo e acenda a vela agora mesmo.

.
.
adf.org.br/velario/reparacao

.

.

.

 

Compartilhe:

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on twitter
Share on email

2 Comentários

  • Por que não criamos um abaixo assinado on line para as pessoas defenderem o padre e encaminharmos aos organismos envolvidos (arquidiocese, delegacia, fórum…)?

    Resposta
  • Não tem nenhuma forma de mandar algum email, telefone , para ajudar este Padre? Nós informe por favor. Salvê Maria!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inclua agora seu nome na Missa de Nossa Senhora de Fátima.

Basta ligar para:

0800 608 2128

DÚVIDAS

Clique nas perguntas para ver as respostas

Quando você quiser. Trata-se doação espontânea e não de um título comercial que poderá ser protestado. Para cancelar basta ligar para (11) 4368 2253 ou até nos contatar por outros canais. Mas lembre-se que a sua doação é a forma de participar de um apostolado e até receber graças.

O Grupo Exército da Medalha Milagrosa é formado por pessoas que acreditam na intercessão de Nossa Senhora das Graças através da Medalha Milagrosa e querem espalhar essa devoção pelo Brasil, atendendo ao pedido que Ela fez: “Faça cunhar uma Medalha por este modelo…”. Nossa Senhora pode contar com você?

Quando fazemos algo que nos custa algum sacrifício, isso tem mais méritos aos olhos de Nossa Senhora, Mãe de Misericórdia. Quanto mais você fizer pela Virgem Maria, mais graças estará atraindo para a sua vida. Economizando uma moedinha por dia, 1,00 Real, ao final do mês você terá condições de participar do Grupo Apóstolos de Fátima. Faça um voto de fé e experimente.

Bem, além do cartão de crédito você pode nos ajudar de outras formas. Mas você também pode ver se algum familiar pode lhe emprestar seu cartão de crédito para debitar essa doação. Ele também será incluído nas Missas. Muitas vezes você pode utilizar um cartão de uma loja de departamento, até supermercado. Como um cartão da Riachuelo, C&A, etc., desde que tenham a bandeira VISA ou Mastercard.

Não precisa se preocupar. Nós contratamos um sistema de SITE SEGURO, exatamente como os bancos. Na hora de preencher seus dados no site, veja que terá um cadeadinho no canto superior esquerdo da tela. Ele á a garantia de um site 100% seguro. Pode confiar e ir em frente.

PARABÉNS. São poucas as pessoas que realmente agem para fazer o bem, sem egoísmo. Mas, pessoas como você, geralmente são mais solicitadas dos que os que nada fazem. E Deus, que a tudo vê, saberá recompensá-las. Faça esse gesto por Nossa Senhora de Fátima. Faça como uma promessa ou voto de fé. Ela certamente escutará as suas preces e lhe atenderá.

Claro. Mas lembre-se da Virgem Maria quando o Arcanjo Gabriel lhe perguntou se Ela queria ser a mãe do Messias. Mesmo pobre e mocinha ELA DISSE SIM, sem deixar para depois, afinal, era um pedido do Espírito Santo. Será que a Virgem Maria não está esperando o seu SIM bem agora? Por que deixar para depois?

Pense que a sua ajuda nos permitirá levar este símbolo de Proteção e Bênçãos Marianas a muitas famílias que necessitam. E lembre-se que você contará com missas semanais, terá seu nome levado até o Santuário de Nossa Senhora das Graças e outros presentes. Tudo para lhe agradecer por essa valiosa ajuda. Além disso, você certamente contará com as graças de Maria em sua vida.

Muitos pensam que Missa só se manda celebrar para os falecidos. Ao contrário, ter missas em nossas intenções, enquanto estamos nessa terra, é muito importante. Por isso decidimos por esta forma de lhe agradecer pela sua generosa doação, com este presente de valor infinito. Cada Missa é a renovação do sacrifício de Nosso Senhor.

Sem problemas. Nossa Senhora das Graças quer a ajuda daqueles que o fazem com generosidade e sinceridade. Uma doação obrigada nunca será bem vinda para um apostolado mariano com a missão de difundir a devoção a Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa. Uma doação generosa e dada de boa vontade atrairá bênçãos para você, para sua família e para toda essa obra apostólica.